quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

27/02/2013 - 18h19

Plenário aprova fim de ajuda de custo a parlamentares

O Plenário aprovou, por unanimidade, o Projeto de Decreto Legislativo 569/12, do Senado, que acaba com a ajuda de custo para os parlamentares no início e no final de cada ano. Essa ajuda é conhecida como 14º e 15º salários.
O benefício será pago somente no primeiro e no último mês dos mandatos de deputado (de quatro anos) e de senador (oito anos).
Durante a votação, o painel eletrônico registrou a presença de 476 deputados.
A matéria vai a promulgação. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, agradeceu o apoio dos deputados. “Parabéns a este Plenário, que resgata a altivez dessa Casa”, afirmou.
Origem do benefício
As ajudas de custo aos parlamentares foram criadas pela Constituição de 1946, quando a capital era ainda no Rio de Janeiro, com o objetivo de custear as viagens, que eram mais difíceis naquela época. A partir da Constituição de 1988, não constou mais no texto a referência à ajuda, que passou a ser disciplinada em legislação infraconstitucional.
Continue acompanhando a cobertura desta sessão.
Assista ao vivo

Íntegra da proposta:

Reportagem – Eduardo Piovesan 
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'

Hegel e a razão dialética como justificação do drama histórico 2 A Contemporaneidade agradece.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

UNICEF Como é ser a primeira pessoa a fazer alguma coisa?

Pictured, girls play football outside a school in Bamyan, Afghanistan. © UNICEF/AFGA2009-00737/SHEHZAD


Como é ser a primeira pessoa a fazer alguma coisa? Para Azra Jafari, sendo a primeira prefeita no Afeganistão significava para baixo intimidação e baixas expectativas. Mas ela desafiou céticos e trouxe progresso para a remota cidade de Nili em Daykundi Província.

Ela é um modelo para todas as meninas - no Afeganistão e além. Leia um perfil inspiradora dela no The Guardian: http://uni.cf/15JXDnT

Pintados, meninas jogam futebol fora de uma escola em Bamyan, no Afeganistão. © UNICEF/AFGA2009-00737/SHEHZAD Noorani

Afghanistan's first female mayor proves critics wrong

Azra Jafari has won respect in her community as she fights to improve lives and change attitudes to
  • The Guardian,
Azra Jafari
After facing suspicion from local men, Azra Jafari is now referred to as 'Mr Mayor' – a title that conveys respect in Afghanistan. Photograph: Ellie Kealey
When Azra Jafari became mayor of Nili, she knew that the impoverished and remote Afghan town desperately needed roads and investment. She was aware she would be living in very basic conditions, on a meagre salary of $76 (£50) a month, and that taking care of a four-year-old daughter at the same time would be challenging.
What she was less prepared for was the appearance of a powerful mullah in her unheated, makeshift office, wagging his finger at her, warning that Nili was not about to accept a female mayor who thought she could "exploit her femininity in order to complete a few projects and influence our women".
"After three months, the same man came up to me and thanked me," Jafari recalled, four years later. "He said, 'If a man could do just half of what you've done here, our province will surely flourish.' He now supports me and we work very well together – I have a great deal of respect for him."
She is now referred to as "Mr Mayor" by her community, a title that conveys respect in a country not known for women's rights.
Until 2009, Nili – a small town of about 40,000 people at the centre of Daykundi province – had never seen a female official, said Jafari. She had to prove to the community that she was serious about improving their lives.
Jafari was shocked by the complete lack of infrastructure in the town. "Anything that needed to be built in Nili, had to be built from scratch," she said. "And I had no budget" – something she had to address by making regular trips to Kabul to implore ministry officials to release funds. "When I arrived, my office had been damaged by snowfall. It was a small room, with a few pillows. There was no table, no chairs. Just a couple of people there to help me," Jafari said.
"Wherever it was necessary I picked up a shovel, kicked dirt, and gathered coal with my hands. Nili is not the sort of town where you can easily drive a car. I often had to walk from place to place through deep snow, getting my feet soaking wet."
Map: Afghanistan, Nili Location of Nili in Afghanistan. The 34-year-old cannot be further from the image of the downtrodden victim that has become a misleading shorthand for Afghan womanhood. Nor is she connected to a powerful or wealthy family, and she fiercely rejects the suggestion that her promotion was an exercise in tokenism by a government under pressure from its western financiers to show it is bettering women's rights.
"If our friends in the international community really made me mayor because I am a woman then they would have paid for the roads I built. Unfortunately they have contributed very little to the changes in Daykundi," she said.
Jafari also does not hold back on the subject of how severely women in office in Afghanistan are judged, likening it to having one's decisions and behaviour placed under a magnifying glass.
"There are plenty of men here with no ambition to work, who are bad at their jobs and over whom a lot of money has been wasted. Because they are men, no one really questions them and asks 'as a man, how successful have you managed to be?' But as the only female mayor among 180 others, the first question I'm always asked, wherever I am, is 'show us what you've done for your people.'"
Jafari, who is married to an Afghan film-maker, is currently the subject of a documentary series called Afghanistan at Work, a sequel to Kabul: A City at Work, which seeks to show ordinary working Afghans doing extraordinary things at a time of war.
"Mr Mayor" grew up in Ghor province, which borders Daykundi to the west. Like Daykundi, Ghor's population is poor and mainly Shia Hazara. Jafari says that her familiarity with the people and their needs is what partly drew her to the job in Nili.
Daykundi has virtually no western troops. It was carved out of inhospitable mountainous terrain in the centre of Afghanistan in 2004, hugged by the much more restive provinces of Ghazni, Uruzgan and Helmand.
It takes Jafari and her daughter, Indira, two days to drive to Nili from Kabul. It is a perilous journey on poorly paved roads. It becomes a death trap during winter's heavy snowfall.
Two days after this interview, Jafari telephoned from Nili to explain that the small coach in which she had been travelling along with her daughter and 13 other passengers, had overturned and almost careered 1,600ft towards a riverbed below.
"The windows were shattered. Thank God we were OK," she said, adding that she had suffered a sprained neck and her daughter had cut her finger on some glass. "But she couldn't stop shaking for half an hour afterwards."
Bad weather and heart-stopping bus journeys are one risk. The other is the war being waged between Afghan and foreign forces and insurgents.
Jafari's commute often takes her through the insurgent-filled province of Maidan Wardak. "Last year we were caught in a gunfight between Afghan forces and insurgents for three hours. We couldn't move."
And violence is slowly encroaching on Nili itself. Daykundi has long been known as one of the least dangerous and most isolated provinces in Afghanistan. But the Taliban are making increasingly bold moves on Nili, advancing from a district called Gizab, on the border with Uruzgan and technically under that province's jurisdiction.
For many years, it was the very lack of an insurgency that starved Daykundi of adequate attention from foreign donors. Now, Jafari says, that argument is running on borrowed time.
Between 2001 and 2011 the US government's development agency, USAid, spent $37m (£24.4m) on projects in Daykundi province, which has a population of just over 400,000 but no Nato-backed provincial reconstruction team (PRT). By contrast, the more dangerous Uruzgan province, which borders Daykundi to its south and is home to 100,000 fewer civilians, received almost twice as much aid over the same period and hosts a PRT.
Like thousands of Afghans, Jafari fled the civil war in the early 1990s, taking refuge in Iran, where she ran a school for Afghan refugee children. She moved back to Afghanistan in September 2001 to take part in a peace jirga (a tribal assembly of elders) as the fall of the Taliban became imminent. She has also published two books, one entitled I am a Working Woman, which she wrote for women with low levels of literacy.
When we met, Jafari was dressed in a fitted beige knee-length tunic, buttoned down the front and worn over trousers. Her hair was neatly covered with a black shawl splashed with bright colours and loosely wrapped around her neck. It is a typical Kabul look, but perhaps seen as less acceptable in a much more conservative and rural place such as Nili.
"I like to dress formally," she explained. "This means clothes tend to be more fitted and a bit tighter, but this is the way formal, professional people dress. Not traditional loose, wide clothing, and people need to accept this."
She has never changed what she wears, even in the face of criticism and gossip, as she sees it as part of her job to encourage people to understand that the way someone dresses has no bearing on who they are or their ability to get a job done properly.
"What I've really learned is that it makes no difference whether you are a man or a woman, what matters is that you do your work properly and you work hard and how seriously you take your responsibilities," she said.
As Afghanistan's first and only female mayor, Jafari is determined to make her mark not just on infrastructure but on attitudes towards women. She feels strongly that since being in Nili, she has influenced the way younger women think, and for the better. She says one day she may angle for the top job in government, but she would like to become a member of parliament before aiming for the presidential palace. "I'm like a template for women," she said.
The morning after the interview, Jafari set off, with Indira in tow, on their long and dangerous journey to Nili.
Additional reporting by Ellie Kealey
Notícias do Mundo
AfeganistãoPrimeiro Afeganistão maior fêmea Prova críticos erradoAzra Respeito Jafari ganhou em sua comunidade como ela luta para melhorar a vida e mudar atitudes em relação às mulheres

Compartilhar 2718

Golnar Motevalli em Cabul
The Guardian, domingo 24 fevereiro de 2013 GMT 18,36Azra JafariDepois de enfrentar a suspeita de homens locais, Azra Jafari agora é referido como "Sr. Prefeito" - Esse título transmite de Respeitar no Afeganistão. Fotografia: Ellie KealeyQuando Azra Jafari Tornou-se prefeito de Nili, ela sabia que o investimento do pobre e remota cidade estradas afegãs e precisava desesperadamente. Ela estava consciente de que ela estaria vivendo em condições muito básicas, em um magro salário de US $ 76 (R $ 50) por mês, e que cuidar de uma filha de quatro anos de idade, ao mesmo tempo, seria um desafio.O que ela estava menos preparado para foi o aparecimento de um mulá poderoso em seu escritório, sem aquecimento improvisado, abanando o dedo para ela, avisando Nili que não era sobre aceitar um maior fêmea que pensou que ela poderia "explorar sua feminilidade, a fim de completar uma influenciar alguns projetos e nossas mulheres "."Depois de três meses, o mesmo homem veio até mim e me agradeceu", recordou Jafari, quatro anos mais tarde. "Eu disse, 'Se um homem pode fazer apenas a metade do que você fez aqui, a nossa província certamente vai florescer." Ele agora me apóia e nós trabalhamos muito bem juntos - Eu tenho um grande respeito por ele ".Ela agora é conhecido como "Sr. Prefeito" pela sua comunidade, a título transmite respeito que não em um país conhecido pelos direitos das mulheres.Até 2009, Nili - uma pequena cidade de cerca de 40.000 pessoas no centro da província de Daykundi - nunca tinha visto um funcionário do sexo feminino, disse Jafari. Ela teve que provar que ela foi para a comunidade sério sobre como melhorar suas vidas.Jafari estava chocado com a completa falta de infra-estrutura na cidade. "Qualquer coisa que precisava ser construído em Nili, teve que ser construído a partir do zero", disse ela. "E eu não tinha orçamento" - algo que ela teve que enfrentar regularmente fazer viagens para Cabul para implorar ministério Funcionários para liberação de recursos. "Quando cheguei, meu escritório tinha sido danificada por queda de neve. Era uma sala pequena, com alguns travesseiros. Não há mesa, não há cadeiras. Apenas um par de pessoas lá para me ajudar", disse Jafari."Onde quer que era necessário pá eu peguei, chutou de carvão, sujeira e se reuniu com as minhas mãos. Nili não é o tipo de cidade onde você pode dirigir um carro facilmente. Muitas vezes eu tinha de andar de um lugar para outro através de neve profunda, ficando meus pés molhados. "Mapa: Afeganistão, Nili Localização de Nili no Afeganistão.O jogador de 34 anos não pode estar mais longe da imagem da vítima oprimidos, que se tornou um atalho enganoso para a mulher afegã. Nem ela está ligada a uma poderosa família ou ricos, e ela ferozmente rejeita a sugestão de que sua promoção foi um exercício de simbolismo por um governo sob a pressão de seus financiadores ocidentais para mostrar que está melhorando direitos das mulheres."Se os nossos amigos na comunidade internacional realmente me fez mais porque eu sou uma mulher então eles teriam pago para as estradas que eu construí. Infelizmente Contribuição Eles têm muito pouco para as mudanças em Daykundi", disse ela.Jafari também não segura sobre o assunto de como severamente mulheres em cargos no Afeganistão são julgados, comparando-o a ter uma de decisões e Comportamento Colocado sob uma lupa."Há muitos homens aqui, sem ambição de trabalhar, que são ruins em quem os seus postos de trabalho e mais um monte de dinheiro foi desperdiçado. Porque são homens, ninguém os questiona e pergunta" como um homem, como bem sucedido tem você conseguiu ser? ' Mas, como a única mulher entre os 180 a maioria dos outros, a primeira pergunta que eu estou sempre perguntei, onde quer que eu sou, é "mostrar-nos o que você fez para o seu povo."Jafari, que é casada com um afegão cineasta, é actualmente objecto de uma série de documentários chamada Afeganistão no Trabalho, uma sequela de Cabul: Uma Cidade no trabalho, que procura mostrar afegãos trabalhando fazendo coisas extraordinárias em um tempo de guerra ."Sr. Prefeito" cresceu na província de Ghor, fronteiras que Daykundi a oeste. Como Daykundi, Ghor população é pobre e de maioria xiita hazara. Que diz que seu Jafari familiaridade com as pessoas e as suas necessidades é, em parte, o que atraiu para o trabalho em Nili.Praticamente Daykundi não tem tropas ocidentais. Foi esculpida em terreno montanhoso inóspito no centro do Afeganistão, em 2004, abraçou pelas províncias mais rebeldes de Ghazni, Uruzgan e Helmand.É preciso Jafari e sua filha, Indira, dois dias de carro de Cabul para Nili. É uma perigosa jornada em mal estradas pavimentadas. Ela se torna uma armadilha mortal durante forte nevasca do inverno.Dois dias depois desta entrevista, Jafari telefonou da Nili para explicar que o treinador pequena em que tinha viajado junto com sua filha e outros 13 passageiros, tinha virado e quase 1,600 pés careered para um leito de rio abaixo."Foram as janelas quebradas. Graças a Deus fomos bem", disse ela, acrescentando que ela tinha que sofreu uma entorse no pescoço e sua filha tinha cortado o dedo em algum vidro. "Mas ela não conseguia parar de tremer por meia hora mais tarde."O mau tempo e as viagens de parar o coração de ônibus são um risco. A outra é a guerra travada entre as forças afegãs e estrangeiras e os insurgentes.Muitas vezes comutar Jafari leva-la através da província rebelde-cheia de Maidan Wardak. "No ano passado, foram pegos em um tiroteio entre as forças afegãs e os insurgentes para três horas. Nós não podia se mover."E a violência está lentamente invadindo Nili si. Daykundi tem sido conhecida como uma das províncias menos perigoso e mais isolado no Afeganistão. Mas os talibãs estão fazendo movimentos cada vez mais ousados ​​em Nili, avançando de um distrito chamado Gizab, na fronteira com a província de Uruzgan e tecnicamente sob Isso é jurisdição.Por muitos anos, foi a própria falta de uma insurgência que Daykundi carente de atenção adequada de doadores estrangeiros. Agora, Jafari diz, este argumento está sendo executado em tempo emprestado.Entre 2001 e 2011, a agência do governo dos EUA de desenvolvimento, a USAID, gastou US $ 37 milhões (£ 24.4m) em projetos em Daykundi província, que tem uma população de pouco mais de 400,000, mas não Otan-backed Equipe de Reconstrução Provincial (PRT). Em contraste, a mais perigosa província de Uruzgan, Que Daykundi às suas fronteiras sul e é o lar de 100 mil menos civis, recebeu quase o dobro em relação ao mesmo período de ajuda e abriga uma PRT.Como milhares de afegãos, Jafari fugiram da guerra civil no início dos anos 1990, refugiando-se no Irã, onde funcionou uma escola para crianças refugiadas afegãs. Ela se mudou de volta para o Afeganistão em Setembro de 2001, para participar de uma jirga da paz (assembléia tribal de anciãos para) como a queda do Talibã se tornou iminente. Ela já publicou dois livros também, um Intitulada Eu sou uma mulher que trabalha, que ela escreveu para as mulheres com baixos níveis de alfabetização.Quando nos conhecemos, Jafari estava vestido com uma túnica na altura do joelho equipada bege, abotoado na frente e usado sobre calças. Seu cabelo estava bem coberto com um xale preto salpicado de cores vivas e pouco enrolado em seu pescoço. É um olhar típico de Cabul, mas visto como menos aceitável Talvez em um lugar muito mais conservador e rural, como Nili."Gosto de me vestir formalmente", explicou ela. "Essa roupa meios tendem a ser mais justa e um pouco mais apertado, mas esta é a maneira formal, profissionais vestido. Not tradicional roupas largas e de largura, e as pessoas precisam aceitar isso."Ela nunca mudou o que ela veste, mesmo diante de críticas e fofocas, como ela o vê como parte de seu trabalho para incentivar as pessoas a compreender que a forma como alguém se veste não tem qualquer influência em quem eles são ou sua capacidade de obter um emprego feito corretamente."O que eu realmente aprendi é que não faz diferença se você é um homem ou uma mulher, o que importa é que você faça o seu trabalho corretamente e você trabalhar duro e como você tomar a sério as suas responsabilidades", disse ela.Como Afeganistão primeira e única mulher grande, Jafari está determinado a deixar sua marca não apenas em infra-estrutura, mas nas atitudes em relação às mulheres. Fortemente que ela sente desde estar em Nili, ela influenciou a maneira como as mulheres mais jovens pensam, e para melhor. Ela diz que um dia ela pode virar para o trabalho superior no governo, mas ela gostaria de se tornar um membro do parlamento antes de apontar para o palácio presidencial. "Eu sou como um modelo para as mulheres", disse ela.Na manhã após a entrevista, Jafari partiu, com Indira no reboque, sobre a sua longa e perigosa viagem para Nili.Reportagem adicional de Ellie Kealey

Padre António Vieira e a Língua Portuguesa

Padre António Vieira e a Língua Portuguesa

... quando aos Apóstolos, pelo contrário, foram ensinados num momento, sem esforço nem estudo da sua parte, os dialectos de todos os povos...

«Há línguas entre eles de tão escura e cerrada pronunciação, que verdadeiramente se pode afirmar que se não ouvem. Por vezes me aconteceu estar com o ouvido aplicado à boca do bárbaro, e ainda do intérprete, sem poder distinguir as sílabas, nem perceber as vogais, ou consoantes de que se formavam, equivocando-se a mesma letra com duas ou três semelhantes, ou compondo-se com mistura de todas elas: uma tão delgadas e subtis, outras tão duras e escabrosas, outras tão interiores e escuras, e mais afogadas na garganta que pronunciadas na língua: outras tão curtas e subidas, outras tão estendidas e multiplicadas, que não percebem os ouvidos mais que a confusão, sendo certo, em todo o rigor, que as tais línguas não se ouvem, pois se não ouve delas mais que o sonido».
António Vieira, Sermão do Espírito Santo.

«Chegada a navegação ao fim, acrescentem-se os fortíssimos obstáculos com que, contrariados, somos retardados e impedidos, por longa fatalidade, do múnus da pregação. Quando, finalmente, penetramos nas selvas e florestas da barbárie, achamo-nos completamente mudos e surdos; mudos, porque falando não somos entendidos; surdos, porque ouvindo não entendemos; por isso, somos forçados a incumbir-nos, ou quase a sucumbir, da pesadíssima tarefa de aprender as suas dificílimas o obscuríssimas línguas, sem nenhum guia ou luz que nos oriente, arrancando dos fundamentos as formas totalmente abstrusas das novas gramáticas e, de tão obscuras, como que adivinhando-as: quando aos Apóstolos, pelo contrário, foram ensinados num momento, sem esforço nem estudo da sua parte, os dialectos de todos os povos»

António Vieira, Clavis Prophetarum, livro III, trad. de Arnaldo Espírito Santo, p. 156/7.

«Mas se os ministros do Evangelho se aplicassem à propagação da fé para a promoverem do mesmo modo que até hoje, seria necessário que os pregadores, distribuídos por toda a parte, visitassem, penetrassem e profundamente perscrutassem todas as regiões do mundo integralmente, sem deixar de fora nenhuma cidade, nenhuma vila, nenhuma aldeia, nenhuma casa, nenhuma choupana ou tugúrio, nenhum monte, nenhum vale, nenhum recanto, nenhum antro, nenhuma caverna ou esconderijo, enfim, nenhuma toca de árvore carregada de anos, que pudesse acoitar um homem; seria necessário que vivessem, e mais, morressem com os que aí habitam, até que mutuamente se entendessem e compreendessem, o que ensina e o que ouve, nesta espécie de comunicação sensível e oral em que se encontrassem presos e enredados em novas dificuldades, nunca imaginadas, ao contactarem com uma tal rudeza dos selvagens que, em palavras articuladas, não como os restantes seres humanos, mas à maneira do mais baixo refugo dos irracionais, parecem coaxar como rãs, grunhir como porcos, assobiar como as serpentes e, deste modo soando ou zunindo, mais propriamente do que falando, comunicam entre si e dão a conhecer os seus pensamentos, se é que os têm, perante a estupefacção dos estranhos que nada compreendem»

António Vieira, Clavis Prophetarum, livro III, Op. Cit., p. 517.

ONU critica Uruguai por anular parte da lei sobre crimes na ditadura militar

Agência Brasil
Publicação: 25/02/2013 08:46 Atualização:
Brasília - A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, condenou a decisão da Suprema Corte do Uruguai de declarar inconstitucional parte da Lei de Caducidade da Pretensão Punitiva do Estado, que permite julgar crimes cometidos durante a ditadura militar (1973-1985). Pillay se disse preocupada com o que chamou de “falha” da Suprema Corte.

“Estou surpreendida e preocupada com essa falha do Supremo Tribunal, que declara inconstitucional alguns artigos da lei que permitiu levar à Justiça violações aos direitos humanos cometidas durante o regime militar de 1973 a 1985, anulando assim a anistia de fato no país”, disse Navi Pillay.

A decisão, de acordo com a alta comissária, abre caminho para encerrar as investigações em curso sobre as violações dos direitos humanos. Segundo Navi Pillay, na prática é um atentado ao direito das vítimas que buscam a verdade, a justiça e a reparação. O Alto Comissariado para os Direitos Humanos é vinculado à Organização das Nações Unidas (ONU).

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

200 mil personas en el último ángelus del pontificado de Benedicto XVI. Fotogalería y videos

domingo, 24 de febrero de 2013

200 mil personas en el último ángelus del pontificado de Benedicto XVI. Fotogalería y videos

Galería fotográfica en este enlace.
Más de doscientas mil personas han asistido por mañana del domingo 24 de febrero al último ángelus del pontificado de Benedicto XVI. En los alrededores de la Plaza de San Pedro, estaban instaladas cuatro pantallas gigantes para que los fieles que no cabían en la plaza pudieran ver al Papa asomarse a la ventana de su estudio poco antes de mediodía.
El Santo Padre ha sido recibido con un gran aplauso y, antes de empezar su breve meditación, ha correspondido diciendo: “Gracias, muchas gracias”. Después, ha comentado el evangelio de este segundo domingo de Cuaresma: el relato de la Transfiguración del Señor.
“El evangelista Lucas - ha dicho- pone especial atención al hecho de que Jesús se transfiguró mientras oraba: la suya es una experiencia profunda de relación con el Padre en una suerte de retiro espiritual que vive en un monte alto en compañía de Pedro, Santiago y Juan, los tres discípulos siempre presentes en los momentos de la manifestación divina del Maestro. El Señor, que poco antes había predicho su muerte y resurrección, ofrece a sus discípulos una anticipación de su gloria. Y también en la Transfiguración, como en el bautismo,
se oye la voz del Padre celestial: "Este es mi Hijo, el elegido, escuchadle". La presencia de Moisés y Elías, que representan la Ley y los Profetas de la Antigua Alianza, es muy significativa: toda la historia de la Alianza se orienta hacia Él, el Cristo, que lleva a cabo un nuevo "éxodo": no hacia la tierra prometida como en los tiempos de Moisés, sino hacia el Cielo. La intervención de Pedro: "Maestro, que bien estamos aquí" representa el intento imposible de detener esta experiencia mística. San Agustín dice: "Pedro... en la montaña tenía a Cristo como alimento del alma. ¿Por qué iba a bajar para volver a los trabajos y a los dolores, mientras allí estaba lleno de sentimientos de amor santo hacia Dios y que, por lo tanto, le inspiraban una conducta santa? “.

“Si meditamos en este pasaje del Evangelio - ha proseguido- notamos una enseñanza muy importante. En primer lugar, la primacía de la oración, sin la cual todo el compromiso del apostolado y de la caridad se reduce a activismo. En Cuaresma, aprendemos a dar su debido tiempo a la oración, tanto personal como comunitaria, que da aliento a nuestra vida espiritual. Además, la oración no es aislarse del mundo y de sus contradicciones, como en el Tabor hubiera querido hacer Pedro; al contrario, la oración reconduce al camino, a la acción. “La existencia cristiana -como he escrito en el Mensaje para esta Cuaresma- consiste en un continuo subir al monte del encuentro con Dios para después volver a bajar, trayendo el amor y la fuerza que derivan de éste, a fin de servir a nuestros hermanos y hermanas con el mismo amor de Dios”.
Vista del Palacio Apostólico desde la Plaza de san Pedro.
“Esta Palabra de Dios la siento especialmente dirigida a mí, en este momento de mi vida. El Señor me ha llamado a "subir al monte", para dedicarme aún más a la oración y a la meditación. Pero esto no significa abandonar la Iglesia; en efecto, si Dios me pide esto es sólo para que yo pueda seguir sirviéndola con la misma dedicación y el mismo amor con que he intentado hacerlo hasta ahora, pero de una manera más adecuada para mi edad y para mis fuerzas. Invoquemos la intercesión de la Virgen María: !Que nos ayude a seguir siempre al Señor Jesús en la oración y en la caridad laboriosa!”.

Después de rezar el Ángelus, en los saludos en las diversas lenguas, el Papa ha dado nuevamente las gracias a todos por haberle manifestado en estos días su cercanía y tenerlo presente en sus oraciones y ha añadido: “Demos también gracias a Dios por este sol que tenemos hoy”, ya que en Roma, contrariamente a lo previsto, no llovía.
Después, dirigiéndose a los peregrinos polacos ha reafirmado que en el monte Tabor, Cristo “reveló a sus discípulos el esplendor de su divinidad, dándoles la certeza de que , a través del sufrimiento y la cruz se puede alcanzar la resurrección. Tenemos que percibir siempre su presencia, su gloria y su divinidad en la vida de la Iglesia, en la contemplación y en los acontecimientos de todos los días”.
Al final, hablando a los numerosos italianos procedentes de diversas diócesis de la península, se ha despedido diciendo: “Gracias, de nuevo. Siempre estaremos cerca en la oración”.
Con información del Vatican Information Service.
 Domingo, 24 de fevereiro, 2013200 000 pessoas no último Angelus de Bento pontificado. Galeria de fotos e vídeosPostado por Jorge Enrique Mujica, LCEnviar e-mail Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookGaleria de fotos neste link.Mais de 200 mil pessoas participaram de manhã de domingo 24 de fevereiro ao último Angelus de Bento pontificado. Em torno da Plaza de San Pedro, quatro telões foram instalados para que os fiéis que não se encaixam na praça para ver o Papa poderia olhar para fora da janela de seu escritório, pouco antes do meio-dia.O Santo Padre foi recebido com aplausos e, antes de sua breve meditação, tem correspondido dizendo: ". Obrigado, muito obrigado" Depois, disse que o Evangelho deste II Domingo da Quaresma: a história da Transfiguração do Senhor."O evangelista Lucas - disse, presta especial atenção para o fato de que Jesus foi transfigurado enquanto orava: a sua é uma profunda experiência de relacionamento com o Pai, em uma espécie de retiro espiritual vivo em uma alta montanha na companhia de Pedro, Tiago e João, os três discípulos sempre presente nos momentos de manifestação divina do Mestre. O Senhor, que pouco antes havia previsto sua morte e ressurreição, oferece aos seus seguidores uma antecipação da sua glória. E também na Transfiguração, como no batismo,ouvir a voz do Pai celeste: "Este é o meu Filho, o meu escolhido, ouvi-lo". A presença de Moisés e Elias, representando a Lei e os Profetas do Antigo Testamento, é muito significativo: a história da Aliança está orientada para Cristo, segurando um "êxodo" novo: não ao terra prometida, como nos dias de Moisés, mas para o céu. A intervenção de Pedro: "Senhor, que, embora estejamos aqui" é uma tentativa experiência mística imparável. Santo Agostinho diz: ". Peter ... nas montanhas tinha Cristo como alimento da alma Por que perder para voltar ao trabalho e dores, enquanto lá estava cheio de sentimentos de amor santo de Deus e que Então o inspirou um Deus? "."Se meditar sobre esta passagem do Evangelho - continuou, notamos um ensinamento muito importante. Primeiro, o primado da oração, sem a qual todo o empenho do apostolado e de caridade é reduzido ao ativismo. Na Quaresma, aprendemos a dar devido à oração, pessoal e comunitária, que dá fôlego para a nossa vida espiritual. Além disso, a oração não é isolado do mundo e suas contradições, como no Tabor Pedro queria fazer o contrário, a oração traz para a estrada, para a ação. "A vida cristã, como escrevi na Mensagem para a Quaresma, é uma subida contínua da montanha de encontro com Deus e de volta, trazendo o amor ea força dele derivados, a fim de servir nossos irmãos e irmãs com o amor de Deus ".Ver Palácio Apostólico da Praça de São Pedro."A Palavra de Deus estou particularmente dirigida a mim, neste momento da minha vida. O Senhor tem me chamado para "subir a montanha", para se dedicar ainda mais à oração e à meditação. Mas isto não significa o abandono da Igreja, de fato, se Deus me pede isso é só para mim continuar servindo-o com a mesma dedicação eo mesmo amor com o qual eu tentei fazer até agora, mas de uma forma mais adequada para a minha idade e para minha força. Invoquemos a intercessão da Virgem Maria! Eles sempre nos ajudam a seguir o Senhor Jesus na oração e na caridade laboriosa ".Depois de rezar o Angelus, nas saudações em várias línguas, o Papa voltou a agradecer a todos por ter expressado sua proximidade estes dias e tê-lo em suas orações e acrescentou: "Vamos também dar graças a Deus pelo dom temos hoje ", como em Roma, ao contrário das expectativas, não estava chovendo.Depois, dirigindo reafirmou peregrinos poloneses no Monte Tabor que Cristo ", revelou aos seus discípulos o esplendor de sua divindade, dando-lhes a garantia de que, através do sofrimento e da cruz pode alcançar a ressurreição. Nós devemos sempre sentir a sua presença, a sua glória e divindade na vida da Igreja, na contemplação e nos acontecimentos de cada dia. "Finalmente, falando aos italianos muitos de diversas dioceses da península, tenha sido indeferido, dizendo: "Obrigado, mais uma vez. Nós estaremos sempre perto em oração. "Com informações do Serviço de Informação do Vaticano.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Termina disputa entre Estados Unidos e Brasil sobre taxas de suco de laranja

19/02/2013 - 14h08
Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Terminou hoje (19) a disputa entre os governos brasileiro e norte-americano em relação às exportações de suco de laranja do Brasil para os Estados Unidos. As autoridades comerciais do Brasil comunicaram, há uma semana, à Organização Mundial do Comércio (OMC) o fim do impasse que estava sendo travado no âmbito da organização internacional, desde 2009, quando o governo brasileiro identificou a prática de zeroing pelas autoridades norte-americanas.
Com esse método de cálculo, o produto brasileiro chegava mais caro ao mercado dos Estados Unidos. A medida, considerada protecionista, sobretaxa indevidamente os produtos importados, tornando-os menos competitivos. A justificativa do governo norte-americano era a de que os exportadores estavam praticandodumping, ou seja, vendendo o suco de laranja a preços inferiores aos praticados no mercado doméstico, com o objetivo de eliminar a concorrência local.
Com essa acusação, as autoridades comerciais norte-americanas passaram a substituir o cálculo do dumping(diferença entre o valor praticado pelo país no mercado interno e o preço do mesmo produto exportado) pela sobretaxa. Na abertura do contencioso, as autoridades brasileiras defenderam, na OMC, que a prática dozeroing "além de incompatível com as normas multilaterais de comércio, causa grande incerteza e sérios prejuízos para as empresas exportadoras afetadas".
Em fevereiro de 2012, espontaneamente, os Estados Unidos decidiram mudar a legislação e suspender a metodologia de cálculo. A decisão só foi acatada em território norte-americano em abril do ano passado. A partir dessa data, outras negociações foram travadas e os produtores mantiveram uma espécie de estado de vigilância para verificar se a suspensão do zeroing tinha sido adotada efetivamente em todo o território.
A constatação de que o governo norte-americano está cumprindo a promessa motivou o fim do contencioso na OMC. A decisão, entretanto, não impede que os exportadores que foram afetados antes da adoção da medida continuem tentando reaver os prejuízos que tiveram. Esses casos passarão a ser tratados pela Justiça americana.

Edição: Lílian Beraldo

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

O Brasil precisa da mulher camponesa na condição de cidadã, afirma Dilma

Presidenta Dilma Rousseff participa de cerimônia de abertura do Encontro Nacional de Mulheres Camponesas, em Brasília. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Durante a cerimônia de abertura do 1º Encontro Nacional de Mulheres Camponesas, nesta terça-feira (19), em Brasília, a presidenta Dilma Rousseff falou do compromisso do governo federal em garantir proteção e condições de cidadania para as mulheres do campo e da floresta.
Dilma reafirmou que o Brasil vive um momento histórico ao conseguir retirar da pobreza extrema 22 milhões de brasileiros. Durante cerimônia realizada na manhã desta terça, no Palácio do Planalto, a presidenta anunciou a complementação de renda para 2,5 milhões de beneficiários do Bolsa Família e disse que o Brasil virou a página da exclusão social. Segundo ela, a contribuição das mulheres no processo foi fundamental.
 “Uma das mais importantes medidas que nós tomamos é que quem recebe o Bolsa Família neste país é preferencialmente a mulher. Um país que reconhece isso é porque sabe o valor da mulher camponesa e da floresta, da mulher trabalhadora, da mulher para a criação do seu futuro e do seu presente (…) O Brasil precisa da mulher camponesa na condição de cidadã, não é na condição de produtora somente, é na condição de cidadã.”, afirmou a presidenta.

Durante o evento, representantes da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) assinaram acordo para garantir recursos e beneficiar cooperativas e associações de produtores rurais de base familiar.
Serão R$ 5 milhões provenientes do Fundo Social do BNDES, que atenderão cerca de 100 associações e cooperativas, beneficiando cerca de 4 mil famílias. No total, o acordo destinará R$ 23 milhões a políticas de investimentos voltadas para a produção, aquisição e comercialização dos produtos da agricultura camponesa e a construção de centrais de comercialização de compras de produtos da agricultura familiar.

Erradicação da Miséria.

Após dez anos, governo atinge meta e retira 36 milhões da pobreza extrema

Erradicação total da miséria, porém, ainda depende da busca ativa pelas famílias que estão fora do cadastro do governo federal

Publicado em 19/02/2013, 14:50
Última atualização às 18:00

Após dez anos, governo atinge meta e retira 36 milhões da pobreza extrema
Dilma discursa durante o evento no Palácio do Planalto (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)
São Paulo – A presidenta Dilma Rousseff e a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, anunciaram hoje (19) que a partir de março todos os 36 milhões de brasileiros cadastrados nos programas de transferência de renda do governo federal sairão da extrema pobreza, zerando processo iniciado em 2003, no primeiro ano do governo Lula, com o Fome Zero e depois o Bolsa Família.
Até 2010, o Bolsa Família havia retirado 14 milhões da miséria. Mas ainda restavam 22 milhões que, mesmo recebendo os benefícios do programa, continuavam na extrema pobreza. A maioria destes conseguiu ultrapassar a linha a partir de completações dos programas Brasil Sem Miséria e Brasil Carinhoso, de 2011 para cá.
Apenas, 2,5 milhões de pessoas cadastradas ainda não recebiam os benefícios, o que ocorrerá a partir de agora. Durante o anúncio, Dilma afirmou que ainda não é possível falar em erradicação completa da pobreza extrema no país, já que existem muitas famílias fora dos cadastros governamentais – e que hoje são alvo da "busca ativa" do programa Brasil Sem Miséria. Estima-se que esse universo seja de 700 mil pessoas.
Para a presidenta, nenhuma outra medida já anunciada no Palácio teve a “força simbólica, a marca histórica e o efeito imediato do que o evento de hoje”. Segundo ela, o Brasil vira agora a página da exclusão social. “São os últimos extremamente pobres a transpor a linha da miséria. Não abandonamos nosso povo, por isso a miséria está nos abandonando. A ideia principal por trás deste ato é esta."
Todas as famílias já beneficiárias do Bolsa Família que possuem renda familiar per capita menor que R$ 70 reais irão receber o benefício necessário para alcançar, no mínimo, este valor. “O Bolsa Família completa dez anos com o fim da miséria, do ponto de vista da renda, para seus beneficiários”, disse a ministra.
A Busca Ativa, estratégia que identifica e inclui as pessoas no Cadastro Único, foi ressaltada por Dilma como fator central para a superação de barreiras sociais no país. Ela afirmou saber que ainda existem muitas pessoas em situação de pobreza extrema. 
“Não é que não haja nenhum brasileiro extremamente pobre. Infelizmente, ainda existe, sabemos disso. É necessário encontrarmos eles e incluirmos no Plano. O Estado deve ir atrás deles, não vamos esperar que batam à nossa porta.”

Idade Média

A presidenta também afirmou que o modelo de desenvolvimento nacional “desafia a lógica das interpretações simplistas”. De acordo com Dilma, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao criar o Bolsa Família em 2003, foi o primeiro presidente brasileiro a trazer a questão social para o centro do debate nacional. 
“Nosso modelo nos diferencia do 'disse me disse' da pequena política. As correntes mais conservadoras insistem em não entender o Brasil e a originalidade de nosso modelo. Os velhos do restelo sempre surgem da Idade Média.”
De acordo com dados apresentados pela ministra do Desenvolvimento Social, no ano de 2012, 267 mil beneficiários do Bola Família estavam matriculados em cursos técnicos e profissionalizantes, e 15,7 milhões de crianças e jovens matriculados na escola, com frequência acompanhada pelo Cadastro Único.
Uma simulação produzida pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e apresentada pela ministra, mostrou que 36 milhões de pessoas, se dependessem apenas de suas rendas, seriam extremamente pobres.
Dilma reforçou também a importância da participação dos estados, municípios e movimentos sociais para o êxito da busca ativa. “O governo federal tem feito sua parte e cabe aqui agradecer todos os estados e municípios. É um dever republicano reconhecer que os municípios, estados e movimentos sociais, por meio da busca ativa, ajudam na eliminação da pobreza extrema.”


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Papa decidiu renunciar após ter lido relatório sobre "Vatileaks", diz revista

Segundo a 'Panorama', renúncia estaria ligada a uma grande "resistência na Cúria" às medidas de transparência almejadas por Joseph Ratzinger
O papa Bento XVI teria decidido renunciar ao pontificado em 17 de dezembro do ano passado, após receber um novo relatório sobre o escândalo do vazamento de documentos oficiais do Vaticano, conhecido como "Vatileaks", que apontava uma "forte resistência" na Cúria romana em relação às medidas de transparência exigidas por ele.
A revelação está em um artigo da revista italiana Panorama, que será publicado amanhã mas que teve alguns trechos divulgados nesta quarta-feira. Segundo a revista do grupo Mondadori, propriedade da família Berlusconi, em 17 de dezembro de 2012 Bento XVI recebeu os três cardeais que nomeou para investigar o vazamento de seus documentos pessoais e do Vaticano, que acabaram publicados em um livro de Gianluigi Luzzi e que levaram à prisão do mordomo do Papa, Paolo Gabriele.
Os membros dessa comissão são os cardeais espanhol Julián Herranz, 82 anos; o italiano Salvatore De Giorgi, 82 anos, e o eslovaco Jozef Tomko, 88 anos, que interrogaram cerca de trinta pessoas do Vaticano sobre o caso.
Os três apresentaram um amplo relatório com documentação, entrevistas e interrogatórios, que revelaram, de acordo com a revista, uma grande "resistência na Cúria à mudança e muitos obstáculos às ações pedidas pelo papa para promover a transparência".
Cardeal Tarcisio Bertone, para muitos, o artífice de um
governo paralelo. Bertone, que foi amigo pessoal de Bento 16,
utilizou seu poder crescente para gerar conflito entre cardeais.
Segundo a publicação, o Papa ficou "muito impressionado" com os relatórios e só teve forças para contar sobre o conteúdo ao seu irmão, Georg. "Admitiu, talvez pela primeira vez, ter descoberto uma face da Cúria vaticana que jamais tinha imaginado. Antes do Natal começou a pensar seriamente em sua renúncia", afirmou a Panorama no trecho divulgado pela imprensa italiana.
Bento XVI, de quase 86 anos, disse hoje aos fiéis que renunciou ao pontificado "em plena liberdade e pelo bem da Igreja" e após constatar que "lhe faltam as forças necessárias para exercer com o vigor necessário o Ministério Petrino".
Em sua última grande missa, realizada por ocasião da Quarta-Feira de Cinzas, o papa destacou a importância do testemunho de fé e vida cristã de cada um dos seguidores de Cristo para mostrar o verdadeiro rosto da Igreja. O Pontífice acrescentou, no entanto, que muitas vezes essa face "aparece desfigurada".
"Penso em particular nos atentados contra a unidade da Igreja e nas divisões no corpo eclesial", afirmou o papa. O Vaticano garante que Bento XVI renunciou apenas por questões de saúde.
Segundo o diretor do jornal vaticano L'Osservatore Romano, Gian Maria Vian, o papa tinha tomado a decisão de renunciar há muito tempo, após a viagem que fez ao México e a Cuba em março do ano passado, devido a sua avançada idade.
No Agencia EFE